Animal de estimação | Puro amor | Perda

Hoje venho partilhar convosco um dos textos mais sinceros que escrevi, que remota à minha dor, quando perdi a minha primeira cadelinha.
Chamava-se Nucha, esteve presente na minha vida 15 anos, partiu poucos meses antes de completar os 16 anos, e a perda dela para mim foi algo que nunca pensei que fosse doer tanto. De facto os nossos animais, quando criados com amor, deixam de ser animais e passam a fazer parte da família.
A foto que aqui deixo já é uma foto quando ela já estava velhinha, mas que ainda estava bem e interagia connosco e ainda tinha poder sobre o que queria fazer, quando quisesse fazer, como brincar, correr e comer.

“Há quem pense que eu não tenho coração, tu eras das poucas vidas à minha volta que sempre teve a certeza que eu tinha um. Mas hoje uma boa parte dele foi contigo, enquanto a outra parte ficou aqui, comigo, com uma dor diferente de qualquer outra que tenha sentido, Foram 15 anos partilhados, praticamente cresci contigo. E lembro-me praticamente de tudo. Lembro-me da tua inteligência, até sabias distinguir a pata direita, da esquerda, lembro-me de roubares o fiambre da sande da minha irmã num piquenique que fizemos, lembro-me de me protegeres sempre que na brincadeira a minha irmã levantava a mão e eu gritava “ai Nucha”, corrias a tentar morde-la, lembro-me de termos entrado num elevador, carregar no botão e só depois reparar que tu tinhas ficado do lado de fora, o meu coração parou, mas no final estava tudo bem , lembro-me da tua gravidez psicologica, dum peluche amarelo, que era o mais feio e esquisito que havia em casa, mas uma alma como a tua, é pura, e nem sequer liga a isso, lembro-me da tua verdadeira gravidez, nunca vi cachorrinhos tão lindos como aqueles, lembro-me de como ficavas chateada quando iamos de férias, e quando chegavamos como “castigo” não nos ligavas nenhuma durante 2 dias, assim como me lembro da felicidade que mostravas sempre que chegavamos das compras ou da escola, até do teu ressonar me lembro, e ja sinto saudades. Lembro-me praticamente de tudo, mas são os pequenos promenores que te tornam única, e eu, estou-te grata por teres entrado na minha vida. Recebeste todo o amor, ganhas-te uma família, aquela família que tu lutaste para ficar connosco mais um dia. Sei que estavas muito doente, mas eu via-te a lutar e nós lutamos contigo. Eu queria ter me despedido de ti, mas eu sei que não tinha o direito de te pedir mais dois dias… Lembro-me da última vez que fui a casa e estive contigo, pregaste-nos alguns grandes sustos, lembro-me de te dar a comida a boca, de te cobrir , de te beijar na cabeça e dizer ” Espera por mim Princesa, mais 15 dias!”, e mais uma vez estou-te grata por me teres ouvido e por teres lutado o máximo que conseguias…. 13 dias. Desculpa estar a 300 Km de distância, desculpa a minha presença ter-te estado em falta nestes ultimos dias, mas fico aliviada por saber que não estavas sozinha. Hoje só fico feliz por termos passado 15 anos bem aproveitados, hoje só fico feliz por teres sido tanto nossa, como nós fomos teus, hoje só fico feliz por saber que estás em paz, hoje fico feliz por te termos dado todo o amor e carinho, por te termos dado uma familia e por te termos dado mais amigos de 4 patas, hoje só fico feliz, porque tu foste feliz connosco . Obrigado por estes 15 anos!”
Espero que tenham gostado!
Xoxo, HYL

Deixar uma resposta